Prefeitura de Santa Isabel disponibiliza teste rápido de HIV para toda a população.

Palestra de capacitação em HIV equipe da Saúde.

Por Redação 07/12/2019 - 14:53 hs

Prefeitura de Santa Isabel disponibiliza teste rápido de HIV para toda a população.
Teste Rápido HIV disponível em Santa Isabel

Na conclusão de um treinamento para a equipe de Saúde, A Prefeita de Santa Isabel Fábia Porto, destacou o trabalho realizado pelos profissionais na atenção básica e em todas as unidades de saúde e reforçou a importância da campanha: “A Campanha Fique Sabendo é sobre prevenção e diagnóstico precoce de doenças sexualmente transmissíveis, entre elas, o HIV. Por isso a importância da prevenção e, na dúvida, do Teste Rápido, que está disponível a toda a população”, concluiu.


O treinamento aconteceu na manhã desta sexta-feira, dia 06/12, a Câmara Municipal recebeu o médico Dr. Luis Paulo Silva, que através de uma palestra sobre HIV, levou mais conhecimento aos profissionais de Saúde de Santa Isabel. Cerca de 100 pessoas participaram do encontro alusivo ao Dezembro Vermelho, que tem o objetivo de sensibilizar a população sobre a prevenção e o tratamento precoce do HIV. A palestra apontou dados recentes sobre o HIV no Brasil, mostrando que hoje, no país, são 757 mil casos notificados, representando uma média de 20,4 casos para 100 mil habitantes. Só no ano de 2013 foram diagnosticados 39,5 mil casos. O médico destacou que atualmente os homens têm sido mais infectados do que as mulheres, com exceção do grupo de idosos. Nesse caso, mulheres com mais de 60 anos representam um número maior de notificações. Ele chamou atenção ainda para o paradigma de que os jovens são grupo de risco, destacando o contrário, já que todas as pessoas sexualmente ativas que se relacionam sem preservativo estão suscetíveis ao vírus..

Ao Final da palestra, o médico abriu espaço para perguntas da plateia, que interagiu ativamente no encontro e concluiu: “Acredita -se que a AIDS é a doença mais avassaladora da humanidade. Para mim é o preconceito, ele exclui, discrimina e mata, e ninguém está livre dele”, salientou o médico.